O uso da propaganda pelas ONGs de direitos animais.

Tinha recebido esse artigo da ONG True Green Allience, e após ver varias manifestações contra a PL do Deputado federal Valdir Colatto, usando a imagem de uma onça pintada, um cervo do banhado e um lobo guará, resolvi traduzir pra que mais pessoas possam ver o que as ONGs que cuidam dos direitos dos animais são, e como usam a propaganda em proveito próprio. Ai vai a tradução.
“Os defensores dos direitos animais estão constantemente lamentando o fato de que é possível ganhar dinheiro com animais selvagens, acham isso imoral. Isso é um pouco irônico porque as ONGs dos defensores dos direitos animais fazem centenas de milhões de dólares todo ano com suas campanhas publicitárias.
Sem dúvida, o escalão superior dessas ONGs, fazem muito mais dinheiro através da propagação de mentiras sobre os animais selvagens, e de seu manejo, do que qualquer empresa de manejo de vida selvagem.
De acordo com fontes que examinaram os métodos de captação de recursos dessas ONGs, como por exemplo a IFAW (international fund for animal welfare) que é a maior organização de direitos animais no mundo, tem um faturamento anual de 200 milhões de dólares, e a HUSU (humane society of united states), de acordo com a receita federal americana fatura regularmente 150 milhões de dólares por ano.
Grupos de direitos animais, em geral, não divulgam seus dados de arrecadação, mas organizações como a Charity Watch, mantém controle sobre esse tipo de informação, e eles confirmam que apenas uma pequena fração da arrecadação é utilizada para a finalidade para a qual foi arrecadada.
Como eles arrecadam essas fortunas? Eles fazem através de grande campanha publicitária.
Propaganda por definição é a propagação de idéias, informação ou rumor, para fins de promover um ideal, prejudicar uma instituição, causa ou pessoa, através de qualquer meio, verdadeiro ou falso. Então propaganda nada tem a ver com dizer a verdade.
Um exemplo dessas campanhas, nos 18 meses precedentes a uma reunião da CITES Cop17, in Johanerburgo, praticamente todas as ONGs de direitos animais do mundo, repetida e continuamente apregoaram que os elefantes africanos estão em extinção, e todas essas ONGs pediram doações ao público do primeiro mundo, que possibilitariam essas ONGs a salvar os elefantes de serem extintos.

Primeiro de tudo, o elefante africano não está na iminência de ser extinto, nem perto disso. Então a história que eles contaram ao público em geral, era uma mentira, Mas para eles essa seria uma mentira”boa”, porque eles puderam gerar uma grande onda de emoções e histeria com a ilusão que criaram. Agora, para entender o funcionamento da maquina de propaganda, nós só precisamos examinar os detalhes desse caso.

Essa história foi uma mentira? Sim, porque na Africa meridional todas as populações de elefantes são consideradas excessivas. Isso significa que todas essas populações excederam a capacidade suporte de seus habitats. elas estão destruindo seus habitats, e de acordo com as melhores praticas de manejo de fauna, essas populações deveriam ser reduzidas em pelo menos 50%.
Se isso não for feito, as áreas aonde vivem irá perder sua diversidade biológica, para sempre.
Criando e disseminando essa ilusão, para o fim especifico de angariar doações do publico, constitui em fraude.
Quando essa fraude é repetida, isso é chamado de extorsão, e quando essa extorsão é repetida por outras entidades, isso se torna crime organizado. Tudo isso teria de ser testado nun tribunal, e espero que isso não demore a acontecer. E essa é a natureza dos defensores dos direitos animais.”

Artigo escrito por Ron Thomson, CEO da ONG True Green Alliance, traduzido por Luis Almeida.

Luis Almeida

Formado em Zootecnia, na UNESP -Jaboticabal, fez cursos de animais silvestres na ESALQ, morou Africa do Sul e Zambia nos anos 90, trabalhou como aprendiz de caçador profissional nesses países, em 2004 se mudou para a Grécia e desde 2013 fica indo e vindo entre Brasil e Grécia, sempre caçando aonde tem oportunidade e pesquisando novos destinos de caça.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *