Turismo de caça parte 4, os animais mais perigosos para se caçar na África, o big 5.

OS CINCO GRANDES NA AFRICA DO SUL

Não poderia deixar de falar da África do Sul, ou qualquer outro país africano, sem mencionar os 5 grandes, o big 5, os animais que fazem parte do big 5, são os que eram considerados os mais perigosos pelos primeiros caçadores europeus na África, curiosamente nenhum deles é o que mais mata pessoas na Africa hoje, nem antes, mas uma vez feridos ou acuados eles se tornavam extremamente perigosos, e dai vieram varias historias. É bom lembrar também que os primeiros caçadores e exploradores na África usavam armas de pólvora preta, e de carregar pela boca, o que deveria ser um bom estimulo pra você acertar o tiro de primeira, porque até recarregar o bicho poderia estar em cima de você, e como muitos dizem, “na Africa as coisas mordem”.

Aqui uma espingarda de caçar elefante, calibre 4, na mesa se vê os cartuchos calibre 4 e tem um cartucho do .460 weatherby na mesa para comparação.
Mais uma foto para comparação do tamanho das antigas armas de caçar elefante, a esquerda o .470 N.E., e a direita a espingarda calibre 4.

Vou começar falando de elefantes, no tempo em que havia caça de elefantes para coleta de marfim as armas de elefante eram as 4 bore, ou 2 bore, que seria um cano um tanto mais grosso que uma calibre 12 moderna, algumas armas tinha um coice tão forte que com o uso as coronhas rachavam, uma solução que os primeiros colonizadores europeus na africa do sul, os bôeres, que significa fazendeiro em holandês antigo, após as primeiras caçadas enrolar na coronha o couro de orelha de elefante ainda “verde”, que ao secar ele encolhia e apertava bem a coronha dando uma boa resistencia ao conjunto. Essa caça comercial para o marfim terminou na Africa do Sul ja na primeira metade do século 19, alguns autores dizem que a caça ali foi tão intensa que muito rebanhos de elefantes se mudaram da Africa do Sul para o que é hoje Botswana, Zimbabwe e Moçambique.

Caçadores de marfim, essa foto é do Congo Belga, um dos últimos países a proibir essa atividade.

Essas caçadas na Africa do Sul aconteciam a cavalo, e ao se mudarem para os países mais ao norte, os elefantes encontraram um grande aliado, a mosca tsé-tsé, que transmite a doença do sono aos humanos e varias outras para os animais domésticos, um cavalo não aguentava uma semana em território que tinham as moscas, as moscas também transmitiam doenças ao gado bovino e com isso foram um grande empecilho aos colonizadores e exploradores que tentavam entrar no meio da Africa, por isso nos filmes de safari se vê todo mundo a pé com vários carregadores levando toda a tralha nas costas. As moscas tsé-tsé foram as grandes protetoras dos animais selvagens por muito tempo. Voltando a caça nos dias de hoje, é possível caçar elefantes na Africa do Sul, mas o número de animais disponíveis para a caça é reduzido, e o preço é parecido com o tamanho do elefante, é bem grande. Em outros países é um pouco menos caro, mas ainda é o preço de um carro, existem pacotes a partir de 10 mil dólares, mas infelizmente tem de ser, existe um numero limitado de elefantes, e eles necessitam áreas grandes para viver, para manter essa grande quantidade de terra é preciso dinheiro, e o dinheiro vem dos caçadores, em alguns lugares vem do turismo de observação, mas nem todos os lugares aonde habitam elefantes são rentáveis para esse tipo de turismo, um turista não vai encarar andar a pé 200 km para ver um grande macho, e porque 200 km? Algumas associações de caçadores profissionais, guias de caça, ja fizeram essa conta, é a média de quilômetros que um caçador tem de andar para conseguir pegar um macho velho de elefante, tem os que andam menos, e tem os que andam mais e não pegam nada ainda por cima.

Um elefante abatido recentemente, com presas de mais de 100 libras cada, um animal cada vez mais raro hoje em dia.
Outro elefante de bom tamanho.
Aqui um elefante africano da floresta, alguns cientistas dizem que é uma subespécie, outros que é uma espécie diferente, é um animal muito menor, e como o nome diz, vive em florestas.
Essa figura mostra a diferença de tamanho entre o elefante da floresta e o da savana, e alguns dados biológicos que dizem justificar dividir esses animais em espécies diferentes.

Muitas vezes aonde vivem elefantes não existe uma grande densidade de população, ainda assim aquela área pode ser importante como um corredor para a migração entre areas de comida na época seca e época de chuvas, os turistas de observação não querem ficar nessas areas, e ver um grupo de zebras numa semana, pequenos grupos de búfalos, ai como ocorre agora em Botswana, áreas que serviriam para caça, não servem para o turismo, como proibiram a caça em Botswana essa atras agora não recebem nem turistas e nem caçadores, ficando a mercê da caça ilegal, pela carne ou marfim. Os elefantes que se caçam hoje em dia são os machos mais velhos, os guias sabem como diferencia-los, em geral como a maioria dos animais mais velhos, quem tem gado ja observou isso em vacas, na cabeça vc vê que eles vão ficando com as cavidades mais fundas, outro detalhe, que não se percebe ao olhar o elefante, é que os elefantes trocam de molares 6 vezes ao logo da vida, eles tem 2 em cima e 2 em baixo, quando gastam os últimos molares ai é questão de tempo até o elefante morrer de fome, alguns guias dizem que nas fezes (sim caçadores sempre ficam de olho em qualquer sinal dos bichos e fezes são um bom indicativo de quando o animal passou por ali,) dá pra se perceber se tem matéria mal digerida em grande quantidade, o que seria um sinal de um animal com dentição deficiente, eu só vejo um problema com isso, normalmente os elefantes não digerem tudo, ai acho que precisa de ter muita experiência pra saber a idade do elefante pelas fezes.

Desenho que mostra os alvos principais que se deve ter em mente ao caçar um elefante, e como seriam os ângulos de tiro.
Desenho feito por Karamojo Bell, famoso caçadores de elefantes do inicio do século 20, que mostrava aonde estaria o cérebro do elefante se ele estivesse fugindo do caçador.

Pra quem se preocupa com o destino da carne do elefante, preocupação justificável, ela é sempre destinada ao consumo, mesmo em países mais desenvolvidos como a Africa do Sul, sempre existe alguma comunidade carente em proteína animal, então se não for destinado a venda ela pode ser sempre doada a alguém.

Moradores da região de caça são sempre chamados para fazer uso da carne do elefante, ai toda a comunidade se mobiliza para carnear o animal.
Ao término do trabalho muito pouco não é utilizado do elefante.

Alguém também pode se perguntar qual a graça de se caçar um elefante, afinal um bicho daqueles é fácil ver e muito mais fácil de acertar, não deve correr muito e tal e coisa. Bom um elefante corre a 40 km/h e por mais tempo que um ser humano normal, segundo a internet o Usain bolt é mais rápido que um elefante. E embora elefantes não enxerguem muito bem, eles tem um olfato excelente, uma audição melhor ainda, tanto que alguns caçadores profissionais não gostavam de rifles duplos com ejetores automáticos, isso porque no meio do mato fechado, após o primeiro tiro o elefante poderia ouvir o barulho do metal do cartucho caindo no chão e assim localizar o caçador, e ai a coisa ficaria feia pro lado do caçador. Tem gente que acha que subir em arvores ajudaria, mas você teria de ser muito bom em subir arvores e teria sempre de escolher uma que o elefante não pudesse derrubar, em resumo atire bem, do contrario as chances passam a ser do elefante.

Aqui um exemplo que apesar do tamanho, um elefante não fica tão evidente e fácil de avistar assim, os grandes machos sempre estão no mato fechado.
Um elefante atacando uma fêmea de hipopótamo.
Aqui um búfalo sendo agredido por um elefante.

Rinoceronte negro, mostrando interesse em alguma coisa e ja indo investigar.
Rinoceronte branco

O rinoceronte seria o segundo em tamanho do big 5, originalmente o rinoceronte negro era o mais associado ao big 5, e era o mais comum também, mas os tempos mudaram, e o rinoceronte que nos anos 70 chegava a ter uma população de 70 mil para menos de 5 mil em toda a Africa. Já o rinoceronte branco da subespécie do sul, que era o mais raro, hoje em dia já chega a 20 mil animais, os dois a primeira vista são semelhantes mas se observar melhor os bichos são bem diferentes, e comem coisas diferentes também. A estratégia de defesa é o oposto, enquanto ao sentir perigo o rinoceronte branco procura se afastar da fonte de perturbação, e a fêmea ainda faz com que o filhote ande bem na frente dela, e assim ela pode proteger melhor o filhote de predadores como leões e hienas. Ja o rinoceronte negro ao se sentir ameaçado, ou perceber algum cheiro esquisito, ele parte pra cima, o que funciona bem com a maioria dos predadores, mas com seres humanos com armas de fogo passa a ser uma estratégia errada, e mesmo a fêmea com filhotes faz o mesmo, e ela parte pra cima do que a está perturbando, com o filhote atras dela, e mesmo com predadores não humanos isso não é uma boa estratégia, leões e hienas gostam de provocar o caos e com isso criar uma oportunidade de pegar o filhote, e não é raro que consigam.
Rinoceronte branco no meio do mato fechado
Rinoceronte negro no mato fechado, lugar preferido dele, que se alimenta de folhas de arbustos.

Por causa dessa estratégia de defesa, e da abundância esse animal até os anos 70, o rinoceronte negro foi caçado por caçadores esportivos ou de troféu do século 20, até os anos 70, e era uma caça bem tensa, pois se o animal percebesse que tinha alguém por perto ele atacava, as vezes ao sairem do caminho o rinoceronte ia embora, mas outras vezes ele realmente queria pegar o caçador, e apesar de ser um animal tão grande, que chega a pesar 1.400,00 kg, ele é bem ágil, chegando a girar 180o numa perna só quase como um cavalo quarto de milha numa prova de tambores. Assim como o elefante e o hipopótamo, o rinoceronte poderia ser chamado de paquiderme, que vem de grego e significa pele grossa, aliada a pele grossa ele também tinha uma ossatura pesada o que fazia necessário o uso de calibres grandes e poderosos, afinal no caso de o animal estar atacando o projetil teria de atravessar um chifre, ou dois dependendo do angulo, e ainda penetrar no craneo do animal, para atingir o cérebro. Os rifles duplos e os grandes calibres africanos são os mais indicados para esse tipo de caça, mas com certeza muitos foram abatidos com rifles de ferrolho e em calibres não indicados, como o .303 british, 8×57 mauser e até o velho 7×57 mauser deve ter sido usado também, ja que eram armas muito abundantes na Africa, e muito usados por fazendeiros, especialmente por terem sido usadas na guerra dos Boers contra os ingleses, os boers da Africa do Sul compraram milhares rifles mauser em 7×57, perderam a guerra mas não foi culpa do calibre ou da arma, e sim do adversário que era a maior potência militar da época.

Aqui no circulo se mostra a principal diferença anatômica entre as 2 espécies de rinoceronte africanos, o da esquerda é o negro, com o lábio afilado, que é usado para selecionar ramos e folhas que fazem parte da sua alimentação. O da direita é o rinoceronte branco, que se alimenta principalmente de pastagem, as vezes bem rente ao solo, dai esse focinho reto e largo.

Hoje em dia devido a sua raridade caçar um rinoceronte negro irá custar mais do que a maioria de nós pode gastar numa caçada, uma caçada de rinoceronte negro na Namibia foi a leilão, e levantou a quantia de 350 mil dólares, quem sabe um dia eles não fazem um sistema de lotéria como nos EUA, aonde fazem o sorteio de uma licença de caça para animais raros, e assim fica possível a um caçador que não seja milionário sonhar com uma caçada dessas.

Rinoceronte negro
Rinoceronte branco.

A caçada mais acessível de rinocerontes hoje, é a de rinocerontes brancos, ainda é cara, pacotes de caça começam partir de 30 mil dólares, mas se tudo der certo com o inicio do comércio legal de chifre de rinocerontes que está acontecendo agora na Africa do Sul, é possível que no futuro esse animal fique tão abundante que sua caçada caia bem de preço. Caçar um rinoceronte branco é uma caçada menos tensa que o o negro, mas é um animal ainda maior, que embora prefira fugir, ele também ataca, especialmente se você conseguir chegar bem perto do animal, pra dificultar um pouco ele as vezes é encontrado em pequenos grupos, o que significa mais ouvidos e narizes pra te sentir, a visão nos rinocerontes, tanto negros como brancos é fraca. Mesmo sendo animais muito grandes, não significa que são fáceis de serem achados, por rolarem na terra e lama eles tem a cor do terreno em que vivem, e muitas vezes vc irá olhar para um deles e achará que é uma pedra, ou eles podem estar no capim alto ou na sombra de alguma arvore, e podem passar desapercebidos, mas cuidado, se sentirem seu cheiro e você estiver perto, eles podem achar que é melhor atacar que fugir, eles correm mais que um ser humano, mesmo um ser humano com medo rsrsrs, mas se souber subir em arvores isso pode te ajudar muito.

A figura mostra os órgãos vitais do rinoceronte, que devem ser os principais alvos do caçador.

Vou falar mais dos outros membros do big 5 na semana que vem, acabei ficando gripado e isso me fez atrasar muitas coisas, inclusive escrever para o AQUI TEM JAVALI, mas agora estou melhor e vamos por as histórias em dia.

Luis Almeida

Luis Almeida

Formado em Zootecnia, na UNESP -Jaboticabal, fez cursos de animais silvestres na ESALQ, morou Africa do Sul e Zambia nos anos 90, trabalhou como aprendiz de caçador profissional nesses países, em 2004 se mudou para a Grécia e desde 2013 fica indo e vindo entre Brasil e Grécia, sempre caçando aonde tem oportunidade e pesquisando novos destinos de caça.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *