Cães de caça mais velhos são os melhores, e a forma mais sustentavel de caçar.

Pesquisadores americanos fizeram um trabalho na Nicarágua, sobre as variáveis demográficas de cachorros de comunidades que vivem na floresta, e chegaram a esse resultado que parecia ser improvável, que cachorros mais velhos são melhores cães de caça. Esse pesquisador ainda afirma que não só cães machos mais velhos são melhores na caça do que cães mais novos e fêmeas, mas a caça com cachorros também é uma forma mais sustentável com relação as outras formas de caça.

Segundo Jeremy Koster, pesquisador e antropológo pela University of Cincinnati, ele ficou surpreso ao constatar que cães machos mais velhos estavam sendo mais eficientes na caça do que fêmeas, pois poucos antropólogos haviam notado essa variação de desempenho na caça, entre os sexos. Em geral os outros pesquisadores apenas relatavam que tinham sido informados que não havia diferença entre o sucesso de caça entre machos e fêmeas.
Foster e outro antropólogo, Kenneth Tankersley, recentemente examinaram variáveis demográficas importantes, como idade e sexo, em relação a quantidade de caça que os animais contribuíram para a caça de subsistência em uma comunidade indígena; esse tipo e caça tem um papel muito importante para a sobrevivência da comunidade. Essa pesquisa é uma de alguns projetos para estudar essas diferenças em cães de caça.

Financiada em parte pela National Science Foundation, esse estudo aparece no periódico Proceedings of the National Academy of Sciences.
Segundo Deborah Winslow, diretora do programa de antropologia cultural da NSF ( National Science Foundation), os resultados da pesquisa do Dr. Koster e do Dr. Tankerley fazem uma contribuição crucial para entender as estratégias de subsistência em ambientes de florestas tropicais pluviais. Esse tipo de conhecimento é essencial para preservar esses ambientes, e ao mesmo tempo permitir uma exploração econômica sustentável. Numa escala maior a pesquisa também ajuda a entender nosso passado evolutivo, incluindo as razões principais pelas quais os cães teriam sido domesticados.

Koster e Tankersley viram que ao atingir 3 anos de idade, tanto os machos como fêmeas tendem a aumentar seu sucesso na caça, produzindo uma colheita de peças caçadas maior. Machos e fêmeas mais velhos na população estudada produzir mais caça a seus donos que cachorros mais jovens.
Segundo Koster, esse aumento do sucesso de caça com a idade pode refletir um aprendizado através das experiências que os animais vem adquirindo. Por outro lado, esse aparente aumento da habilidade de caça relacionado a maior idade dos animais, pode estar indicando que apenas animais com talento para a caça atingem idades mais avançadas. talvez porque cães menos habilidosos podem receber pouco cuidado e morrem relativamente jovens.

Segundo os pesquisadores, eles esperavam que a habilidade de caça de animais mais velhos diminuísse a medida que os animais ficassem mais velhos, mas o que acontece é que poucos cães atingem a idade de 8 ou 9 anos, porque mesmo cães bem tratados com frequência são vitimas de mordidas de serpentes e ataques de onças
Também parece haver uma tendência que animais de maior tamanho corporal são capazes de rastrear e acuar animais maiores, o que aumentaria as taxas de retorno da caça para seus donos, e em geral cachorros machos são maiores que fêmeas. Ainda assim, mais pesquisa precisa ser feita para determinar se machos sua melhores na caça em outras localidades, bonda os moradores utilizam cães para caça de subsistência.

Foster e Tankersley conduziram esse estudo na Reserva da Biosfera Bosawa, Nicaragua, que é parte do maior trecho intacto de floresta pluvial tropical em toda a America Central, ao norte da floresta amazônica. Os pesquisadores basearam seus estudos sobre as atividades de caça de 2 grupos étnicos, os Mayanga e os Miskito, que vivem ao longo de um afluente do Rio Côco, não muito longe da fronteira com Honduras.
Membros da comunidade na região capturam 85% dos mamíferos caçados com o auxilio de cachorros segundo a pesquisa.
Biólogos conservacionistas, justificadamente, tem se preocupado com o impacto da caça de subsistência pode ter sobre as populações de animais selvagens, segundo Foster, se o objetivo é a caça sustentável, então a caca com cachorros é a melhor das alternativas.
Koster argumenta que caçadores com armas de fogo tendem a caçar preferencialmente animais que vivem nas copas das arvores, incluindo espécies de primatas de ciclo reprodutivo muito lento, que facilmente são caçados em excesso, enquanto caçadores com cachorros tendem a capturar mais animais de ciclo reprodutivo mais rápido como cutias, pacas e tatus. Segundo o pesquisador essas populações são mais difíceis de terem suas populações esgotadas, em parte porque elas são bem adaptadas a floresta altamente modificada e utilizada por humanos e com seus assentamentos no entorno.

Em geral então, se voce tivesse que escolher uma forma de caça, com armas de fogo ou caça com cachorros, o ultimo seria mais provável de resultar em uma forma mais sustentável de longo prazo em muitos cenários. Isso afirmou Foster, que promove Amazon Cares, uma organização sem fins lucrativos, devotada ao bem estar de cachorros na América Latina rural.
Um dos colegas de Foster, observou que a maioria dos cachorros do estudo eram sem raça definida, Foster também observou que aparentemente não parece haver um gerenciamento ou manejo da reprodução dos cães, na população em estudo.
Esses resultados deixam uma questão aberta, que tipo de cachorro seriam os melhores caçadores, embora os caçadores locais falam de raças diferentes de cães na reserva.
Enquanto isso, cachorros que não são bons caçadores quase nunca são levados nas caçadas, e ficam em volta da casa. Foster pensa que talvez eles desempenhem uma função de cães de guarda, e os pesquisadores não acabaram nenhuma evidencia de que esses animais receberem menos cuidados que os cães de caça, mas estudos adicionais ainda são necessários.
Koster ainda afirma que certamente parece que cães não caçadores não parecem tão saudáveis, eles parecem pegar mais sarna, por exemplo. Talvez seus donos não façam tanta questão de comprar remédios para cães que não contribuem na caçada.

Essa pesquisa foi financiada por “Dissertation Improvement Award from NSF’s Division of Behavioral and Cognitive Sciences”, e ainda recebeu fundos da “the Hill Foundation, da William Sanders dissertation grant, e também recebeu apoio do”the Charles Phelps Taft Research Center and the University of Cincinnati Research Council”.
Pesquisadores
Jeremy Koster
Kenneth Tankersley
Stephen Beckerman
Instituições e organizações relacionadas
University of Cincinnati
Pennsylvania State Univ University Park
Related Programs
Cultural Anthropology Scholars Awards
Related Awards
#0413037 Dissertation Research : The Nutritional Context of Hunting Decisions in the Bosawas Biosphere Reserve, Nicaragua
Total Grants
R$ 10.960

Traduzido por Luis Almeida

Luis Almeida

Formado em Zootecnia, na UNESP -Jaboticabal, fez cursos de animais silvestres na ESALQ, morou Africa do Sul e Zambia nos anos 90, trabalhou como aprendiz de caçador profissional nesses países, em 2004 se mudou para a Grécia e desde 2013 fica indo e vindo entre Brasil e Grécia, sempre caçando aonde tem oportunidade e pesquisando novos destinos de caça.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *