Caçar um bicho em extinção é permitido?

Esse aqui é um relato rápido, feito pelo Sr. Ali, que gentilmente me deixou usar suas fotos para ilustração, de uma caçada para o manejo de uma espécie em extinção no Paquistão. Essa caçada foi a primeira feita na região e para esse tipo de animal, graças a organização da Indus safaris.
O Paquistão pra muita gente aqui no Brasil parece ser um país primitivo, distante, perigoso, e é, mas também tem sido bastante audacioso em programas de conservação, e essa é a história de mais um desses planos de conservação que envolve a comunidade na proteção de espécies em vias de desaparecer, sem esse auxilio da comunidade esse bicho estaria condenado a extinção.
O animal em questão é um tipo de carneiro selvagem chamado Urial, ele vive na Asia central, do nordeste do Irã, e oeste do kazaquistão até o norte da India, se divide em varias raças, ou subspécies, algumas delas mais abundantes outras bem raras. O Ladakh Urial é o mais raro de todas as raças de Urial, e é encontrado nos himalaias.
Abaixo uma foto do Urial de ladakh, outro nome desse bicho na região seria Shapo.

Segundo o Sr. Pir Danish Ali, diretor da empresa Indus safaris, há uns 2 anos atrás ele foi procurado por um amigo e caçador, para conseguir uma licença de caça de um Urial dessa subspécie, para fins científicos e de coleta de DNA. Muito pouco se sabe sobre esse animal, e mais importante, o departamento de caça do Paquistão estava tentando começar um manejo de caça dessa espécie como já vem fazendo com o Markor, um tipo de cabra selvagem, e o Bharal, um outro tipo de carneiro selvagem, também chamado de carneiro azul, mas não tinha conseguido ainda. Como sem esse manejo de caça o Urial de Ladakh não tinha um “valor”, não havia recursos para a sua conservação e ele sofria com a competição por pasto com rebanhos domésticos e havia também muita caça ilegal, ninguém dava muita importância a esse animal. Agora pela primeira vez na história, foi colocado um “valor” no animal, pois a caça dele irá gerar fundos para a região aonde ele vive, e a comunidade local entendeu que proteger esse animal irá se traduzir em recursos para infra estrutura local e empregos. Fora do Paquistão todo mundo achava que seria impossível isso acontecer, devido a o numero de pessoas que precisariam ser envolvidas nessa ação, de autoridades locais, politicos e membros do departamento de caça, mas graças ao empenho de todos da Indus Safaris as coisas aconteceram e ao invés de 1 licença de caça foram emitidas 2 licenças, Jason B. será a primeira pessoa a caçar legalmente um Urial de Ladakh (Shapo) na história do Paquistão, podendo levar legalmente o troféu para casa, e Renée S. será a primeira mulher a fazer o mesmo.
Arranjar essas licenças de caça foi um pesadelo burocrático e politico, mas os fundos gerados por essa caçada fará com que os habitantes da região nunca mais permitam que se matem os Shapos por causa da carne, foi assim que o Paquistão conseguiu retirar o Markor da beira da extinção, agora faz o mesmo com o rarissimo Urial de Ladakh. Nessa área foram contados apenas 64 animais no inicio de 2017, 2 foram caçados, amostras de DNA foram coletadas e a comunidade local recebeu uma grande quantia de dinheiro como parte da contrapartida do programa de caça comunitária.
Sr. Ali ainda convida qualquer pessoa interessada em visitar essa área no ano que vem, e garante que quem for irá ver os locais guardando os Shapos com sua própria vida de caçadores ilegais, mesmo que sejam membros da comunidade, nas palavras do Sr Ali, “isso é conservação!”

Aqui a foto do primeiro Urial de Ladakh caçado legalmente na história do Paquistão (para manter a privacidade dos caçadores eu alterei a face deles), ao fundo se vê a montanha Nanga parbat, uma das poucas montanhas com mais de 7 mil e novecentos metros de altitude, também conhecida como montanha assassina pelo numero de pessoas que perderam a vida tentando a escalada ali, uma quantidade maior que no Everest.

Aqui a foto do Jason sendo recebido pelos aldeões e ganhando um “troféu” por ter conseguido caçar um animal tão arisco.

As paisagens são muito dramaticas na região aonde foi realizada a caçada.

Aqui a Renée ao lado de um aldeão e sua cabra, repare na paisagem sem arvores e quase nenhuma pastagem.

Uma foto do Urial a grande distância, pra ver como os animais se confundem com as pedras.

Nessa foto a Renée com o guia.

Nessa foto o produto da caçada.

Depois da caçada a Renée foi homenageada pelos aldeões, que nunca tinham visto uma mulher durona e determinada como ela, que escalou a montanha com chuva para poder abater o Urial, por isso ela ganhou o apelido de “Rani Sahiba”, que significa rainha madame, eles costumam chamar todos os estrangeiros de Sahib (Senhor) ou Sahiba (madame), mas ela pelo jeito ganhou o respeito deles.

Par finalizar, mais uma espécie está sendo salva da extinção, e por meios próprios, essa é a grande vantagem que a caça tem, de sozinha gerar recursos para realizar o trabalho de conservação.
Para saber mais sobre a Indus safaris visite o link http://www.indussafaris.com

Luis Almeida

Luis Almeida

Formado em Zootecnia, na UNESP -Jaboticabal, fez cursos de animais silvestres na ESALQ, morou Africa do Sul e Zambia nos anos 90, trabalhou como aprendiz de caçador profissional nesses países, em 2004 se mudou para a Grécia e desde 2013 fica indo e vindo entre Brasil e Grécia, sempre caçando aonde tem oportunidade e pesquisando novos destinos de caça.

Um comentário em “Caçar um bicho em extinção é permitido?

  • 3 de setembro de 2020 a 12:45
    Permalink

    Well I truly enjoyed studying it. This tip provided by you is very practical for good planning.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *