Caça e conservação

Programa Jakes da NWTF e seu lema “Salve a Caça, Salve o Habitat”

Em geral a mídia gosta de mostrar o lado negativo da caça, usando com frequência filmes da disney como exemplo de conservação e convivência com a fauna. Aqui nesse espaço eu procurarei mostrar o lado positivo da caça na conservação tanto das espécies como das áreas naturais. Vou começar falando de uma associação de caçadores relativamente nova para os EUA, começou em 1973, e tem como missão a conservação de perús selvag

ens e preservar a cultura de caça, essa associação é a National Wild Turkey Federation (NWTF), é uma organização particular, sem fins lucrativos de conservação e educação. A NWTF tem mais de 250 mil associados e voluntários, e junto com as agências de vida selvagem americanas e parceiros corporativos, tem ajudado a recuperar e gerir a população de perús selvagens americanos, que conta atualmente com mais de 7 milhões de animais. Além disso a NWTF junto com seus membros e parceiros de conservação, ajudou a adquirir ou aprimorar, mais de 17 milhões de acres (6.879.655 hectares) de terras publicas, privadas e de corporações, e gastou mais de 372 milhões de dólares conservando e mantendo as tradições de caça. Dentre os programas de manter a tradição de caça a associação ajudou milhares de crianças, mulheres e pessoas com deficiências por toda a America do Norte a aprender técnicas de vida ao ar livre, sobrevivência e caça. Alguns programas como JAKES (para jovens), Women in the outdoors (destinada ao publico feminino) e Wheelin´sportsman (destinada a cadeirantes e deficientes), ajudaram muitas pessoas a aprender a aproveitar melhor a vida ao ar livre, e entender a importância do manejo de vida selvagem e apreciar a caça como uma atividade digna.
Ainda sobre conservação, a NWTF financia pesquisa de manejo de fauna em terras publicas, privadas e corporativas, os fundadores da NWTF estabeleceram um comitê técnico que consiste em biólogos especializados em perus selvagens de agências estaduais e provinciais que fazem as recomendações de pesquisa, manejo e restauração de habitat e também de educação ambiental. Esses acordos de parceria fornecem uma rede para um manejo de vida selvagem cooperativa, pesquisas e atividades educacionais entre a NWTF e agencias e parceiros corporativos. Essas parcerias melhoram milhões de hectares de habitats de vida selvagem de terras privadas, publicas e corporativas, os profissionais da NWTF fornecem informação para ajudar os parceiros a utilizar estrategias de ultima geração em manejo de fauna nos seus programas de manejo.
Pra quem puder ou quiser saber mais, a NWTF produz ainda 2 programas de televisão disponiveis no Pursuit Channel:
· “Turkey Call” – é um programa de atualidades sobre tudo que envolve perus selvagens.
· “Get in the Game” – Nesse programa eles dão dicas de manejo da terra pra atrais mais vida selvagem na sua propriedade.
também produz 3 revistas
Turkey Country – publicação oficial da NWTF
· JAKES – traz informação e noticias de conservação para jovens.
· Xtreme JAKES – feita para jovens que gostam de vida ao ar livre e caça.
E também tem mídias on line
www.nwtf.org – site oficial da NWTF.
MyoutdoorTV.com – mostra videos classicos da NWTF 24 horas por dia.

PS. Eu mencionei varias vezes “terras publicas”, nos EUA existe uma categoria de terra, que seriam as terras publicas, essas são terras pertencentes na sua maioria ao governo federal dos EUA, mas também podem pertencer a orgãos especificos como forças armadas, serviço florestal federal entre outras, essas terras são manejadas de acordo com regras designadas na sua compra ou regularização, e podem ser usadas desde recreação, como caça, pesca, off road e camping, dependendo dos regulamentos específicos, como conservação, refugio de animais migratórios ou refugio sazonal na época de reprodução, como podem ser usadas até para pastoreio de gado, algumas até para procurar ouro, seguindo sempre regras pré-estabelecidas

Luis Almeida

Formado em Zootecnia, na UNESP -Jaboticabal, fez cursos de animais silvestres na ESALQ, morou Africa do Sul e Zambia nos anos 90, trabalhou como aprendiz de caçador profissional nesses países, em 2004 se mudou para a Grécia e desde 2013 fica indo e vindo entre Brasil e Grécia, sempre caçando aonde tem oportunidade e pesquisando novos destinos de caça.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *